Gerações Passadas

As gerações passadas no mundo do vinho do Porto e Douro têm origem tanto em João Nicolau de Almeida como em Graça Eça de Queiroz Cabral. Já por aqui andamos, pelo menos, há cerca de 6 gerações.

Pelo lado de João Nicolau de Almeida as gerações passadas devem-se à família Ramos Pinto e Nicolau de Almeida.

A Nicolau de Almeida & Companhia, empresa de exportação de vinhos do Porto e Douro, foi fundada em 1870 por António Nicolau de Almeida, bisavô de João Nicolau de Almeida, tendo sido mais tarde adquirida pela Real Companhia Velha. Os seus armazéns situados no Porto, exibiam na sua frontaria uma estrela que António aproveitou para usar como logotipo da sua firma, e, assim fizemos nós agora com a João Nicolau de Almeida & Filhos Lda.

A Adriano Ramos Pinto foi fundada pelo seu tio-trisavô, que se destacou pelo seu espírito vanguardista nas áreas do marketing e publicidade, empresa na qual João desenvolveu toda a sua carreira.

Por outro lado, o pai de João, Fernando Nicolau de Almeida, foi enólogo da Casa Ferreirinha, na qual criou o famoso Barca Velha.

Pelo lado de Graça Eça de Queiroz Cabral as gerações passadas devem-se, principalmente, à família Rebello Valente e Pereira Cabral.

Afonso Pereira Cabral (1857-1946), bisavô de Graça, era proprietário da Quinta do Paço de Monsul em Cambres e da Quinta do Cachão em São João da Pesqueira. Foi um absoluto apaixonado pela região do Douro contribuindo para o seu estudo, conhecimento e divulgação com inúmeros trabalhos publicados.

A José Maria Rebello Valente, tetravô de Graça , foi oferecida a Quinta do Noval pelo Marquês de Pombal, primeiro ministro do reinado de D. José I e percursor da demarcação da região do Douro, permanecendo na família cerca de 100 anos.